Arquivo da tag: Jonnata Doll & Os Garotos Solventes

TRUE LOVE WILL FIND YOU IN THE END

Você. Acorda no meio da tarde todo amarrotado e simplesmente não tira o lixo nunca, nem arruma aquela bagunça de quarto, sem perspectivas sensatas, fuma um atrás do outro esses cigarros contrabandeados de filtro vermelho de marcas inimagináveis. Escuta, querido… passar noites inteiras fumando cigarro barato no sofá da sala não é exatamente o que sonho pra você… Vamos fazer um filme?

Todo artista genial é louco vírgula! Apologias tontas da loucura, do subemprego, da overdose, do suicídio e da dor de cotovelo… Underground redunda às vezes em essencialismo redondamente mal informado. Espelhos distorcidos. O gênio romântico esbraveja slogans utópicos e pede ao barman mais uma rodada para as vadias e os vagabundos. Hoje ele tá inspirado.

Oquei. O capitalismo selvagem fode a bunda dos artistas (p.s.: também). A mãe morre de dó. O pai, os professores, as namoradas se indo uma a uma, o gerente do McDonald´s onde ele limpa o chão, todos dirão que o carinha faz tipo… Ele aluga um quartinho lúgubre na Augusta e vai mobiliando-o com uma coleção de garrafas esvaziadas de Natu Nobilis. Tim tim. Filou um dos meus Luckys e falou todo importante que era poeta. Do tipo que rabisca versos do Leminski na parede do quartinho lúgubre, tem um blog tipo beat, nunca penteou a cabeleira comprida e um paletó retrô de uniforme. Planos? A noite é uma criança, gata. Não, querido… futuros. Ah, montar uma banda de punk rock.

A MTV consagra. Meus slogans estampam camisetas fotografadas em gente superinserida. Fica confirmado que sou mesmo legal. E continuo fumando meus cigarros longas jornadas noite adentro. Com gente. Sem gente. Começo a engordar. É minha nova fase, sempre fui magricela exalando a lexotan com vodka. Tenho inchado. As garotas não ligam. Inventarei uma mística qualquer para me agüentar ainda, quem sabe, uma ou duas décadas. Algo que me estimule a tomar mais chá de hortelã e conseguir parar depois da segunda dose de qualquer coisa. O cinismo e o desespero, esses encostos… desde que tenho rejeitado o traste da inocência. Porque já começo a me sulcar de rugas e lá vai longe no passado a namorada esotérica levando os vinis do George Harrisson… Oh, sweet honey… Vou ligar pra alguém, preciso sair, beber num lugar legal…

Fogo?